David Sanders, uma história... - XI – A Gestação da Visão

XI – A Gestação da Visão

Durante estes anos houve também muitos encontros com missionários de vários países do mundo. Passaram por lá missionários que estiveram no Japão, e um, que achei um grande desafio, que trabalhara no Tibete e, depois, ficara prisioneiro – parece-me – dos filipinos quase dois anos, durante aquela guerra mundial e ele, por alguma razão, fora transferido para Filipinas.

Havia outro que passara pela China, com alguns de seus Filhos, além de outros, da Índia, África e mais lugares que não estou lembrando. Todos estes homens deixaram suas impressões em minha vida para ser missionário. A cada um deles Deus havia chamado.

À noite, nós tínhamos um culto para todos os alunos, quando recebíamos muitas mensagens também desafiadoras. E esses missionários iam orientando e saindo, deixando as suas mensagens, enquanto outros pregadores e evangelistas de todo o país vinham visitando e pregando.

Isto foi grande coisa para mim.

Tínhamos orações todas as noites, uma oração breve de meia hora. Tudo ia deixando uma impressão em mim, para cumprir meu compromisso.

De todos os que chegaram de outros países, não houve ninguém do Brasil. Então, durante o último ano, parece que o Brasil foi gerado em minha mente, como toda a América Latina, talvez por continuar sendo ainda católica...

Eu ouvia dizer que aqui pediam missionários, que mandassem livros, publicações:

- Que mandem seus obreiros! Tragam Cristo para nós!

Palavras que – pareciam-me – significavam que a maioria conhecia Cristo, mas, de fato, não conheciam a Cristo, não é?! Não tinham uma experiência com Cristo. E isto também se gerou em minha mente.