David Sanders, uma história... - XVI – O Caso do Visto para o Passaporte

XVI – O Caso do Visto para o Passaporte

Neste intervalo, nós procuramos o visto para o Brasil, porque já estava decidido e já tínhamos o dinheiro da passagem com aquele “tesouro” antes citado.

Queríamos vir, mas não estávamos conseguindo o tipo de visto no passaporte que eu queria, de entrada como missionário. Fiz a declaração; fui à cidade de Chicago onde havia o consulado brasileiro, e disseram que não me podiam dar a permissão para entrar no país.

Continuei requerendo, mandei para Washington D.C., onde também não puderam dar a permissão. Fui para o sul do país; fiz o mesmo requerimento e, nada, novamente.

Mas parece que Deus me deu – ou Ele estava trabalhando enquanto eu não sabia – pois recebi um convite para a Califórnia, que, na época, começava a ter convenções missionárias e a juntar pessoas para enviar missionários, preparando mais as Igrejas para Missões.

Nos anos de 1945 a 48, eu ia visitando as igrejas e, falando com elas, via que muitas não tinham missionários trabalhando, e nem ideia de como poderiam ajudar... Mas, graças a Deus, que muitas igrejas quiseram ajudar.

Então, fui a esta conferência missionária na Califórnia para dar uma mensagem. E, lá, pensei: Por que não fazer um requerimento para o consulado brasileiro? E levei todos os documentos que também levava aos outros...

A primeira coisa que fiz quando cheguei lá, na segunda-feira: ir ao consulado brasileiro de Los Angeles com pedido de entrada e permanência, do tipo que permite trabalhar. Deixei os documentos, e disseram que eu voltasse sexta-feira.

Neste intervalo, parece-me que faltava um documento provando o meu sustento, e mandaram-me uma declaração, uma garantia do banco de que eu tinha o dinheiro, e era um simples pastor. E, voltando ao consulado, já estavam lá os vistos prontos para mim e Dona Ruth.