David Sanders, uma história... - XX – A Primeira Pregação no Brasil

XX – A Primeira Pregação no Brasil

Um dia, então, peguei um avião. Não sem antes conversar com Johnson, que morava em Varginha, Minas Gerais. Perguntara sobre como ir para Goiás, e me disseram que tinha um trem lá no Rio, em que iria para Varginha e de lá para Anápolis, em Goiás, onde pegaria uma carroça para Goiânia. Ainda não havia trem na cidade.

Então fui para Varginha de trem, com Johnson, e fiquei na casa dele, que tinha um filho de dezenove anos.

Ele e o pai me levaram naquela primeira noite para uma pregação na rua, e tive minha primeira pregação no Brasil. Quer dizer, eu já dera testemunho no Rio, na Assembleia de Deus, mas não preguei – foi um testemunho de dois ou três minutos.

Lá em Varginha, eu preguei mesmo, o jovem Johnson foi meu intérprete; houve três decisões, e eu pensei: Bom, muito bem, eu estou animado demais para pregar.
Mas, no dia seguinte, comprei uma passagem para Belo Horizonte. Johnson deu-me uma carta para um pastor que, não sei como, me encontrei com ele, e orientou-me para entrar num trem para Goiás.

Lá, em Belo Horizonte, também dei uma mensagem. Na verdade não foi “A Mensagem”... Com alguns meses de Brasil não dava para pregar muito, não é?!
Ele – o pastor – pedira-me para falar abertamente sobre a unidade e a comunhão; li um salmo duas vezes, sobre isto, repeti umas poucas palavras e sentei-me. Porque nunca fui um homem de falar muitas palavras...