David Sanders, uma história... - XXIV – Goiânia

XXIV – Goiânia

E eu, procurando um jeito de ir para Goiânia, fui ao Hospital Evangélico de Anápolis, do Dr. Fanstone*, que já estava estabelecido naquela época. O filho dele, que me atendeu, disse que o pai estava para Goiânia; e perguntei se poderia ir com ele, que me deu uma Bíblia, e fomos.

O doutor me deixou na praça principal da cidade, perto de um hotel, onde arranjei um quarto, já começando a procurar um lugar melhor para ficar. Foi quando chegou um rapaz e disse:

- Can I help you?

E fiquei assustado que tivesse chegado alguém e me falando em inglês, não é?! Não esperava encontrar um professor de inglês ali, ao meu lado. Ele me ajudou a encontrar uma casa de fundos para alugar.

Aquele professor devia ter percebido, pelo sotaque, quando eu comprava um jornal, que não estava indo muito bem. Porque, realmente, não sei como alguém podia me entender em qualquer coisa, tão difícil me era falar para ser entendido.

Mas ele me ajudou a achar um barracão lá, que resolvi alugar imediatamente; e logo arranjar uma passagem de avião para voltar, que não estava me sentindo bem, com uma gastrite muito forte.

Voltei ao Rio de Janeiro para buscar Dona Ruth, e viemos morar temporariamente em Goiânia, enquanto Brasília tornava-se viva...

Então, ficamos lá doze anos, de 1948 a 1959.

Neste intervalo, eu estudei mais. Fui à Campinas, São Paulo, para um período na Escola de Línguas, a melhor do país, com aulas de fonética, semelhante a estas de linguística aqui em Brasília, hoje.

Mas, iniciarei falando do ministério lá em Goiânia. A história é longa...

* James Fanstone, médico inglês emigrado e radicado em Anápolis desde após a Primeira Grande Guerra. Fundador da Igreja Presbiteriana da Cidade.